Dia Internacional das Pessoas com Deficincia

Domingo, 3 de dezembro

Para alm das barreiras fsicas que tantas vezes no deixam participar par a par, importa quebrar preconceitos e sentimentos de estranheza face a uma realidade que toca diariamente a sociedade e tambm a Igreja.

Assinala-se este dia desde 1998, ano em que a ONU - Organização das Nações Unidas avançou com a convenção sobre os direitos das pessoas com deficiência. A data tem como principal objetivo a motivação para uma maior compreensão dos assuntos relativos à deficiência e a mobilização para a defesa da dignidade, dos direitos e do bem-estar destas pessoas.

 

E com os cristãos? E na nossa Igreja?

“O Serviço Pastoral a Pessoas com Deficiência (SPPD) resulta da vontade da Igreja em Portugal responder ao desafio de promover a inclusão das pessoas com deficiência na vida da Igreja, tornando realidade a mensagem de Jesus que nos revelou o rosto de amor de Deus Pai. (…)

O Serviço Pastoral a Pessoas com Deficiência é expressão duma Igreja que acolhe a todos ativamente e onde cada um se sente um membro vivo (1 Co 12, 27) e onde as pessoas com ou sem deficiência vivem em comunhão e põem tudo em comum (At. 2, 44), potencialidades e fragilidades, para realizar o mandato de Cristo Ressuscitado aos apóstolos “ser Suas testemunhas até aos confins do mundo”. (At. 1,8)

É missão do Serviço Pastoral a Pessoas com deficiência oferecer apoio a iniciativas diocesanas e paroquiais para irem ao encontro das pessoas com deficiência e das suas famílias, em ordem a anunciarem a Boa Nova conscientes do papel que as pessoas com deficiência têm a desenvolver na Igreja e na sociedade. É missão, também, recolher e divulgar informação bem como promover uma reflexão sistemática sobre as práticas desejáveis.”

Texto retirado de http://pastoraldeficiencia.pt/quem-somos/

Para além das barreiras físicas que tantas vezes não deixam participar par a par, importa quebrar preconceitos e sentimentos de estranheza face a uma realidade que toca diariamente a sociedade e também a Igreja - é com esse objetivo que o Serviço Pastoral a Pessoas com Deficiência existe desde final de 2010 e na nossa Diocese desde 2016.

Este serviço quer impulsionar a diocese e concretamente as paróquias a boas práticas de acolhimento, tornado a Igreja uma casa inclusiva.

Tudo se inicia na questão da sensibilização, mostrar a realidade às pessoas, à vida da Igreja, revelar que as pessoas com deficiência existem e têm uma grande riqueza para dar. Quando nós temos uma comunidade que não tem toda a gente, ficamos mais pobres. Que cada pároco, cada comunidade, cada agente de pastoral reconheça essa riqueza pessoal e a ponha ativa nas suas boas práticas.

Igualmente sensibilizar essas pessoas com deficiência, pois se elas não conseguem, não têm acesso, acabam por desistir. Por isso devem ser mobilizadas. Elas têm de ter um papel ativo para fazer ouvir a sua voz. E por isso é tão importante recolher dados sobre as realidades e as barreiras existentes.

Quebrar barreiras físicas, arquitetónicas (os exemplos mais simples: as escadas, os bancos, os degraus até ao altar, …), mas principalmente as barreiras atitudinais. Criar pontes, comunidades verdadeiramente acolhedoras. Este é o nosso principal objectivo.

 

Perguntarmos: Que Igreja queremos e para quem é?

 

Alterar a atitude e incluir todos. Mas com todos. “Nada por nós sem nós”. Perguntar à pessoa como ela se pode sentir mais em casa. Mais acolhida mais em igreja. Chamar à paróquia a Pessoa com Deficiência.

Nós queremos uma Igreja De e Para Todos, assim não deve haver “barreiras” à expressão da relação com Deus, nem dessa sua espiritualidade.

 

Cabe a todos nós cristãos viver e fazer viver a Fé Cristã.

 

Deixai-vos tocar pelo Espirito Santo tal como Maria na Anunciação- Não Tenhais Medo.

 

Um bom domingo para todos.

Texto adaptado da entrevista de Tiago Cargaleiro à rádio “Agência Ecclesia”  emissão de 21 de Junho de 2017

Servio Pastoral pessoa com deficincia