Mensagem Quaresmal de D. Antonino Dias

QUARESMA 2018: A LGICA DO DOM QUE GERA CONFIANA
"Todos os anos a Quaresma surge na Igreja como dom e tempo favorvel para, progressivamente, cada um de ns ser mais capaz de viver da graa e do dom de Deus assumindo no nosso quotidiano o estilo de Jesus Cristo. o tempo por excelncia de quem se prepara e d passos para ser batizado na f em Jesus Cristo. o tempo em que os cristos, j batizados e a viver a histria de todos os dias, so desafiados a reavivar o dom do seu batismo e a refontalizar a sua f"

O centro do Cristianismo católico e da vida da Igreja é a Pessoa e o Mistério de Jesus Cristo. E o centro da Pessoa e do Mistério de Jesus Cristo é o seu Mistério pascal. É a Sua encarnação e o dom de Si mesmo pela vida do mundo. É a Sua morte na Cruz como plenitude da vida entregue por amor. É a Ressurreição como revelação de que o amor é mais forte do que a própria morte.

 

Centro da vida de Jesus Cristo, o Mistério pascal de Cristo mostra-nos o que é dar plenitude à vida: nascer e agradecer quotidianamente o dom e o valor da vida, comungar a vida dos outros e servi-los particularmente onde e quando necessitam, esquecermo-nos de nós próprios, unirmo-nos a Deus na oração filial, acolher sem julgar, deixarmo-nos surpreender pela novidade de Deus, não temer remar contra a corrente, ser radicalmente pela verdade que liberta e pela justiça que responsabiliza e ajusta, despojar-se de tudo o que impede de ajoelhar aos pés de Deus e das necessidades dos outros, deixar cair a capa da autossuficiência, ser próximo e livre, amar e perdoar mesmo quando parece impossível e o mundo refuta a motivação. É viver a fidelidade com amor de oblação mesmo quando nela se vislumbra a Cruz, a solidão.

 

Todos os anos a Quaresma surge na Igreja como dom e tempo favorável para, progressivamente, cada um de nós ser mais capaz de viver da graça e do dom de Deus assumindo no nosso quotidiano o estilo de Jesus Cristo. É o tempo por excelência de quem se prepara e dá passos para ser batizado na fé em Jesus Cristo. É o tempo em que os cristãos, já batizados e a viver a história de todos os dias, são desafiados a reavivar o dom do seu batismo e a refontalizar a sua fé.

 

A fé cristã, a nossa fé cristã, tem sempre a marca existencial da confiança absoluta em Jesus Cristo. A sua identidade envolve-nos, a sua Palavra cria-nos e recria-nos, os seus gestos modelam a nossa maneira de agir, a sua oração assume as nossas súplicas e ações de graças e ensina-nos a rezar. A fé cristã é simultaneamente dom e resposta. É fundamentalmente uma atitude de confiança em Jesus Cristo e na sua verdade revelada. É uma relação pessoal vivida num enquadramento comunitário. É uma atitude existencial que envolve tudo o que somos, fazemos e pensamos. É uma experiência de libertação porque de caminho e de purificação. Ela envolve a esperança e o amor como dimensões da sua realização. É histórica e dá sempre origem a um projeto de vida.

 

A fé tem, de facto, a marca da gratuidade. É da ordem e da lógica do dom. Não espera recompensa para dar o passo, não exige retribuição para se comprometer. Ao dom recebido responde sempre com a entrega confiante. É motivação, confiança, liberdade e compromisso. Nunca obrigação. Não é assim que a experimentamos!?
 

 

Para reavivar o dom do batismo, e, portanto, da fé, a Igreja aponta-nos, tradicionalmente, neste tempo de Quaresma, três grandes sinais ou atitudes: a oração, o jejum e a partilha. Não se trata de “mínimos legais” para um qualquer acesso a um mundo desejado. São antes a oportunidade e ocasião da redescoberta da fé. Reza-se para ouvir Deus e Lhe falar, para descobrirmos que não nos faz bem a loucura de querer ocupar o lugar que só Deus pode ter. Jejua-se para percebermos que há muitas coisas com as quais não podemos nunca confundir-nos ou até misturar-nos. Partilha-se para descobrirmos e saborearmos o gosto de nos sabermos amados e acompanhados em cada passo da vida.

 

Há tanto aborrecimento por falta de objetivos! Há tanto luxo por falta de disponibilidade! Há tanta solidão por falta de olhar para fora de si mesmo! E, neste caminho, a Palavra de Deus, a celebração do perdão e da reconciliação, a participação na Eucaristia mostram-nos a paixão de Cristo por nosso amor e surpreendem-nos com a conversão. O Santo Padre, na esperança de que “o nosso coração volte a inflamar-se de fé, esperança e amor”, convida-nos também a “empreender com ardor o caminho da Quaresma apoiados na esmola, no jejum e na oração”, recorda-nos a iniciativa das “24 horas para o Senhor” que este ano decorre no dia 9 e 10 de março, e pede-nos que, em cada Diocese, pelo menos uma igreja fique aberta durante 24 horas consecutivas, oferecendo a possibilidade de adoração e da confissão sacramental.

 

Nesta Quaresma poderíamos, por isso, eleger como grande propósito da nossa caminhada a redescoberta e o reavivar da nossa fé cristã. Cristãos de prática dita regular, comprometidos em Comunidades e em Movimentos, ou Cristãos mais ao longe, sem regularidade de presença e, sobretudo, sem serenidade de pertença, poderíamos viver este tempo como um regresso à casa em que fomos batizados.

 

Nos últimos tempos muita coisa mudou, é verdade. A nossa fé andou por dentro e por fora das mudanças. E a grande pergunta é se as mudanças a enriqueceram ou a empobreceram. Não nos sentimos, muitas vezes, numa paisagem e numa sociedade de tipo agnóstico? Não nos damos conta de que esse agnosticismo pode perpassar ou perpassa já a nossa fé cristã? As nossas incertezas, as nossas desconfianças, as nossas dúvidas, o estilhaçar das nossas seguranças, as dificuldades da nossa comunhão, a nossa exclusiva autoconfiança, a representação que fazemos de Deus, as resistências ao sentido de pertença à Igreja, a nossa vivência dos sacramentos por tradição, as eucaristias distraídas, o sentido apenas abstrato da nossa vocação à santidade, as nossas dificuldades em rezar, dificuldades silenciosamente vividas, vividas a par dos ritos cristãos mas dando sempre corpo às nossas escolhas… tudo isto, e o mais que quisermos acrescentar, não nos deixa aquela sensação de que o agnosticismo também ataca fortemente o coração da nossa própria fé cristã? E nos tira força, e nos faz esmorecer na alegria de sermos cristãos e no entusiasmo da primeira hora?

 

Tempo de descobrir e redescobrir Jesus Cristo, de reavivar a fé, de refontalizar as nossas vidas, a Quaresma é tempo de descobrir e redescobrir a essência do Cristianismo (cf. Elmar Salmann). Crês em Jesus Cristo!? Creio! Firmemente!

 

Quaresma é, por isso, o tempo favorável da abertura do nosso coração a Deus: uma oração mais confiante, uma simplicidade mais natural, uma partilha mais alegre, a ensinar e a viver também em família. Deus espera por nós! Os outros esperam por nós. E nós temos necessidade de reavivar a fé para não perdermos o sentido da vida e da nossa integração na Igreja.

 

Destinamos 75% da Renúncia Quaresmal deste ano para a construção de um Centro de Saúde na Arquidiocese de Kananga, Província do Kasai Central na República Democrática do Congo. O objetivo deste Centro de Saúde é, sobretudo, socorrer as crianças roubadas às famílias e usadas como soldados ou que perderam os seus pais na guerra. Temos na nossa Diocese de Portalegre-Castelo Branco um sacerdote desse país a trabalhar na zona pastoral de Nisa. Aí, nesse país, “as pessoas que acreditam demonstram uma grande fé no Senhor da vida” a quem gritam “na dor e na angústia”, mas as atrocidades, os massacres, a instabilidade e o sofrimento são enormes, agravados ainda com as carências de todo o tipo. O próprio Papa Francisco, tendo em mente a República Democrática do Congo e o Sudão do Sul, convocou uma jornada mundial de oração e jejum pela paz, a 23 de fevereiro, primeira sexta-feira da Quaresma, à qual não devemos ficar indiferentes. Os outros 25% da Renúncia Quaresmal destinam-se ao Fundo Social Diocesano gerido pela Cáritas, um Fundo que prestou todo o seu apoio à reconstrução, e a outros gastos inerentes, de 14 casas de primeira habitação ardidas nos incêndios do verão passado na nossa Diocese, na zona do Pinhal. A todo o momento surgem novas necessidades na Diocese.

 

 

 

Antonino Dias, Bispo Diocesano

 

Colaborador
Enviar Imprimir
Procure a informao que deseja no seu site da diocese!
entre as h m
e as h m
Dia:
poca:
Diga o que acha do novo site da Diocese de Portalegre - Castelo Branco. Escreva aqui um comentrio. Participe nesta mudana.
Copyright 2009 DIOCESE DE PORTALEGRE - CASTELO BRANCO

Homepage | História | Organograma | Plano Pastoral Diocesano | Galeira de Imagens | Notícias | Avisos | Documentos | Ligaoes teis
Parquias | Arciprestados | Clero | Contactos | Newsletter | RSS

Powered by Peakit